Em continuação do texto anteriormente publicado neste blogue, a ver com a TERTÚLIA NA ASSOCIAÇÃO DE COZINHEIROS PROFISSIONAIS DE PORTUGAL: “PEIXES DA COSTA PORTUGUESA”, venho por este meio descrever-vos o que fora abordado aquando da Tertúlia Gastronómica “Produtos Portugueses Qualificados”, mais uma vez realizada pela ACPP, no passado dia 27 de julho.

E os respetivos oradores designados para o efeito, foram os seguintes: Virgilio Nogueiro Gomes (Gastrónomo e Investigador em História da Alimentação) e Ana Soeiro (Diretora Executiva da Associação Qualifica/oriGIn Portugal).

Portugal é um país privilegiado em termos de solos e climas bastante particulares, logo com grande capacidade para gerar diversas matérias-primas, tendo sido desenvolvidas técnicas especiais para as obter, conservar e transformar, sendo que os próprios saberes se foram apurando, ao longo de várias gerações. Ao mesmo tempo aprofundaram-se tecnologias, materiais, utensílios e sistemas de autocontrolo, demonstrando os produtores portugueses grande inteligência prática e capacidade de adaptação e inovação.

E os consumidores reconheceram a qualidade diferenciada de alguns produtos e passaram a designá-los pelos nomes da terra onde eram produzidos. Surgem assim as Indicações Geográficas e as Denominações de Origem. 

É claro que, se por acaso uma certa IG – Indicação Geográfica /DO – Denominação de Origem não está devidamente registada e protegida, passará em qualquer instante a ser utilizada indignamente por outros e os produtores e consumidores genuínos serão por fim ultrajados, impossibilitando a sua sobrevivência! 

Por isso é muito importante proteger e registar as IGse as DOs. As DOPs – Denominações de Origem Protegida e as IGPs – Indicações Geográficas Protegidas são Propriedade Intelectual, podendo ser legalmente utilizadas por outros profissionais, como os cozinheiros. Mas estes, para além de deverem utilizar “imoderadamente” os produtos qualificados devem igualmente conhecer muito bem toda a legislação em vigor, usando os nomes protegidos sem os fantasiar ou deturpar e usando sempre os produtos genuínos e não produtos de substituição.
Exemplos de nomes mais abusados: Ameixa d’ Elvas (Sericá com 1 ameixa qualquer), Serra da Estrela (para qualquer queijo amanteigado ou outros, até de cabra e vaca!), Maçã bravo de Esmolfe (até lhe chamam bravo de mofo…), Maçã de Alcobaça (para qualquer maçã), Posta Mirandesa (para qualquer naco de carne grelhada), Ananás dos Açores (para qualquer abacaxi), Madeira (para qualquer vinho usado na cozinha). 

De acordo com Ana Soeiro, Engenheira Agrónoma, mas também Coordenadora da Associação Qualifica/oriGIn Portugal, ainda muitos produtos tradicionais portugueses correm o risco de desaparecer, sendo eles a “base da economia das regiões”!

Desde sempre tem participado em eventos e exposições com o objetivo de divulgar o seu trabalho e desenvolver a sua expansão, tendo sido bastante importante a sua adesão à estrutura internacional de produtos com origem geográfica reconhecida e protegida, “Organisation for an International Geographical Indications Network – Origin”, permitindo fazer-se uma ligação recíproca entre Portugal, a Europa e o Mundo.
 
Qualifica/oriGIn Portugal é, assim, a secção portuguesa da rede mundial que agrupa mais de 400 Agrupamentos de produtores de IGs, tendo sempre como base os seguintes valores: PROMOVER, VALORIZAR, DEFENDER, QUALIFICAR. 
Principais serviços prestados:
– Qualificação de Produtos, de Modos de Produção e de Empresas, Restaurantes, Lojas e Feiras;
– Promoção comercial, edição de Guias de Produtos Tradicionais, participação em feiras nacionais e internacionais, lojas on–line, websites, redes sociais, formação profissional, etc;
– Organização de Concursos Nacionais e Internacionais, mostras, feiras, provas, degustações, etc;
– Elaboração de Cadernos de Especificações para QUALIFICAÇÃO (IGs, DOs, ETGs, MCAs, ÉQUALIFICADO) e elaboração de planos de controlo, rotulagem e apresentação dos produtos, elaboração de fichas descritivas e técnicas, etc.
Por outro lado, a mesma associação tem como membros efetivos: municípios, agrupamentos de produtores, confrarias, associações de desenvolvimento local, de assistência e culturais, produtores e comerciantes, etc; logo, a fim de alargar o seu âmbito de atuação, acolherá com muito agrado todos aqueles que partilhem da mesma ideia de valorização dos produtos e das produções tradicionais portuguesas, sendo os documentos e informações necessárias para aderir, bastante simples, bastando pedir para qualificass@gmail.com. 
 
Para mais informações, por favor contacte qualificass@gmail.com  ou qualificanacalado@gmail.com.
Telemóvel: 92 782 0832
Skype:ana.calado60
Sede: Mercado Municipal de Portalegre – Loja 114, Rua Conde Jorge de Avilez, 7300-186 PORTALEGRE
Telefone: 245 906 273
Escritório: CNEMA
Escritório QUALIFICA / oriGIn Portugal: Quinta das Cegonhas, EN 3  Ap. 331, 2001-904 SANTARÉM
Telefone: 243 300 338
Contacto de Ana Soeiro, Diretora Executiva: qualificanasoeiro@gmail.com
Telemóvel: 96 581 9936
Skype: ana.soeiro4
0
(Visited 9 times, 1 visits today)

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *