O Mosteiro de São Dinis de Odivelas, ou Mosteiro de Odivelasclassificado, desde 1910, como Monumento Nacional, localiza-se no largo de D. Dinis, freguesia de Odivelas, Portugal. Acrescente- se ainda que este mosteiro, da Ordem de Cister, foi fundado, em 1295, por D. Dinis, o Lavrador, ou Poeta, ou seja, pelo Rei de Portugal e do Algarve de 1279 até a sua morte. 




Reza a lenda que D. Dinis tomou esta iniciativa como forma de pagamento de uma promessa feita a São Luís, quando, numa caçada no Alentejo, foi surpreendido por um urso. Perante a aparição do santo, o rei recobrou forças e conseguiu neutralizar o enorme animal.

A escolha do local para D. Dinis cumprir a sua promessa incidiu numa propriedade do Rei no termo de Lisboa, Odivelas, onde se situava a “Quinta das Flores”. Esta zona gozava de ótimos recursos naturais, nomeadamente: solos férteis, um curso de água, e ainda uma morfologia que formava um abrigo natural para as culturas. O mosteiro destinava-se a receber uma comunidade feminina cisterciense, e a escolha do local pretendia assegurar a subsistência das monjas e garantir o recato das mesmas, sendo criados campos de cultivo junto ao mosteiro. 

Em 1325 morre D. Dinis e, conforme sua vontade, é sepultado no mosteiro que representa talvez a obra arquitetónica mais emblemática do seu reinado; entre 1900 e 2015 funcionou no mosteiro o Instituto de Odivelas; em 2017 o Exército cedeu o mosteiro à Câmara de Odivelas.

 

Por outro lado, também se sabe que o chamado Pinhal de Leiria foi inicialmente mandado plantar pelo rei D. Afonso III (1248-1279), no século XIII, com o intuito de travar o avanço e degradação das dunas, bem como proteger a cidade de Leiria e o seu Castelo e os terrenos agrícolas da sua degradação devido às areias transportadas pelo vento. 
Mas, mais tarde, entre 1279 e 1325, foi aumentado substancialmente pelo mesmo rei D. Dinis I, para as dimensões atuais. 

E este mesmo pinhal foi muito importante para os Descobrimentos Marítimos, pois a madeira dos pinheiros era usada para a construção de embarcações e o pez (alcatrão vegetal extraído dos pinheiros) foi ainda usado para proteger as caravelas. 

 



RECEITA: Bolinhos de Abóbora do Convento de Odivelas

Estes bolinhos, de origem conventual, são portanto típicos de Odivelas, logo da região de Lisboa, de onde provêm outras receitas igualmente deliciosas, tais como a Marmelada Branca de Odivelas, que eu por acaso também já experimentei a fazer!

Os bolinhos de Abóbora são feitos à base de abóbora, açúcar, coco e ovos, mas também fáceis de preparar e ótimos para saborear a qualquer hora, bom proveito!

Ingredientes:

– 1 colher de chá de fermento em pó
– 200 gr de açúcar
– 4 ovos
– 400 gr de abóbora
– 60 gr de coco ralado
– 70 gr de farinha de trigo
– açúcar em pó p/ polvilhar












  
Confeção do modo Tradicional:

1) Cozer a abóbora em água a ferver;

2) Coar a água e reservar a abóbora;

3) Retirar 130 ml da água da cozedura, juntar o açúcar e levar ao lume até levantar fervura;

4) Adicionar a abóbora e deixar apurar um pouco;

5) Passar o preparado com a varinha mágica e acrescentar o coco;

6) Manter alguns minutos ao lume, a temperatura moderada;

7) Retirar do calor e deixar arrefecer um pouco;

8) Ligar o forno a 180º C;

9) Adicionar os ovos ao preparado e misturar;

10) Juntar a farinha e o fermento, envolvendo bem, até obter uma massa homogénea;

11) Colocar formas de papel nas formas dos queques e deitar nelas a massa;

12) Levar ao forno cerca de 20/25 minutos;

13) Deixar arrefecer os bolinhos e polvilhá-los com açúcar em pó.


Preparação na Bimby:

1) Colocar no copo a água e o cesto com a abóbora e programar 20 min/ Varoma/ vel 2.

2) Retirar e reservar a água da cozedura.

3) Colocar no copo 130 g da água reservada, o açúcar e programe 20 min/ Varoma/ vel 1.

4) Adicionar a abóbora, programar 30 segundos e triturar, progressivamente, até à velocidade 7.

5) Acrescentar o coco e programar 5 min/ 100º C/ vel 2.

6) Retirar o copo da base da Bimby e deixar arrefecer até aos 60º C.

7) Ligar o forno a 180º C.

8) Adicionar os ovos e misturar 1 min/ vel 2.

9) Juntar a farinha e o fermento e programar 20 seg/ vel 3.

10) Colocar formas de papel nas formas dos queques e deitar nelas a massa.

11) Levar ao forno cerca de 20/25 minutos.

12) Deixar arrefecer os bolinhos de abóbora e polvilhá-los com açúcar em pó.

0
(Visited 31 times, 1 visits today)

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *