A atitude de cada um de nós como consumidores de pescado é um contributo essencial para que a relação entre Mar e Sociedade tenha futuro. Para nós e o oceano.
Tendo em conta o pequeno texto introdutório, aquacultura pode funcionar como um meio alternativo no que diz respeito à captura de algumas espécies nos seus habitatsnaturais; caso contrário, os recursos na área da pesca estarão continuamente ameaçados, dado que as pessoas também cada vez mais parecem preferir o peixe à carne.
Entretanto, existem vários efeitos benéficos a assinalar, como por exemplo o reequilíbrio, ao longo do tempo, das populações no seu meio selvagem, conseguindo-se mesmo chegar à recuperação de certas espécies.
 
Porém, ainda existe um certo receio quanto ao consumo de peixe criado em viveiro, muito embora a sua produção não tenha tantos riscos, comparativamente ao que se passa ao nível da própria poluição de certos ecossistemas marinhos.

Na aquacultura, as condições ambientais são, antes de mais nada, potencialmente controladas!

Trabalhadores recolhem peixe de uma exploração no Mississippi.

Aquacultura ou aquicultura é a produção de organismos aquáticos, como peixes, moluscos, crustáceos, anfíbios, répteis e plantas aquáticas para uso do homem.

Esta atividade é praticada há muito tempo, existindo registros de que os chineses já a conheciam vários séculos antes de nossa era e de que os egípcios já criavam a tilápia-do-nilo (Sarotherodon niloticus) há 4000 anos.
 
Atualmente, a aquacultura é responsável pela produção da metade do peixe consumido pela população mundial. De acordo com estudos, a produção de peixes através de aquicultura triplicou entre 1995 e 2007.
(site Wikipédia)

E assim se iniciou uma agradável conversa com o gerente da Lota No Bairro, em Odivelas, tendo-me gentilmente passado para as mãos dois belos produtos congelados da sua loja: um Peixe Tamboril, este proveniente da América Latina, mais precisamente do Brasil, e alguns Camarões Tigre, estes então produzidos por meio de Aquacultura Semi-selvagem.

Tamboril, tambaril ou peixe sapo (na Galiza) é o nome vulgar dos peixes lophiiformes pertencentes aos géneros Lophius e Lophiodes. O tamboril é um peixe bentónico, que vive junto do fundo, que pode ser encontrado desde a zona de maré até aos 600 metros de profundidade.

O tamboril é caracterizado pela cabeça desproporcionalmente grande, com boca semicircular munida de dentes pontiagudos. Enquanto adulto, o tamboril pode medir até 170 cm de comprimento. Como todos os outros peixes lophiiformes, o tamboril apresenta uma barbatana dorsal característica, onde o raio anterior está isolado e modificado para a função de cana de pesca. O raio apresenta uma excrescência carnosa na ponta (a isca) que atrai as presas para a boca do animal. As presas preferenciais são outros peixes, mas já foram registados casos onde se descobriu aves marinhas no estômago de tamboris. A camuflagem eficiente do tamboril contra o fundo do mar é essencial para o sucesso deste tipo de caça.
(site Wikipédia)

O termo camarão (do latim cammārus, caranguejo do mar, camarão, derivado do grego kámmaros, ou kámmoros) é a designação comum a diversos crustáceos da ordem dos decápodes, podendo ser marinhos ou de água doce. Tais crustáceos possuem o abdome longo, corpo lateralmente comprimido, primeiros três pares de pernas com quelas e rostro geralmente desenvolvido.

A pesca e a aquacultura de camarões é uma das atividades económicas mais importantes, devido ao elevado valor comercial. De acordo com a informação “Fishstat Plus” da FAO, em 2002, a captura mundial de camarões marinhos foi de 2.843.020 toneladas, enquanto que a produção mundial por aquacultura foi de 1.292.476 toneladas.

(site Wikipédia)

Foi assim que eu pensei em fazer a seguinte receita: ESPETADAS DE TAMBORIL E CAMARÕES TIGRE COM SALADA DE CUSCUZ!
 
Cuscuz é um prato árabe originário do Magrebe (região do norte de África) que consiste num preparado de sêmola de cereais, principalmente o trigo. Tradicionalmente, a sêmola é amassada à mão com um pouco de água até se transformar em pequenos grãos que devem ser cozidos no vapor duma cuscuzeira e servidos com um molho que pode ter sido feito na parte inferior da cuscuzeira. Na Tunísia, o cuscuz tem “estatuto” de prato nacional, mas em Marrocos e Argélia é também praticamente o prato do dia.
 
Em Portugal, no século XVI o cuscuz fazia parte da ementa diária, partilhando a mesa com o arroz e outros cereais. Para além de vários escritos da época, o cuscuz é ainda referido numa peça de Gil Vicente. Por essa altura, os portugueses começaram a colonizar o Brasil e descobriram que os indígenas tinham um tipo de preparação semelhante, mas usando os frutos da terra, nomeadamente, a mandioca, o milho, o coco e outros; a designação trazida pelos portugueses ficou e adotou as preparações locais. Entretanto, com o tempo o cuscuz em Portugal perdeu a sua popularidade, ficando apenas o nome que foi dado a uma massa alimentícia usada em sopas.

(site Wikipédia)

E logo a seguir se realizou, na minha cozinha, um pequeno vídeo sobre a referida receita, com mais algumas dicas sobre o seu modo de confeção, tal como podem verificar logo ao início de todo este texto.
 
Para finalizar, enumerem-se, portanto, os respetivos ingredientes, bem como os diferentes passos propriamente ditos que procurei seguir nesse mesmo vídeo:
RECEITA NA CATEGORIA DE PEIXE: Espetadas de Tamboril e Camarões Tigre acompanhadas de Salada de Cuscuz
SALADA DE CUSCUZ 
Ingredientes:
  • 1 medida de Cuscuz
  • 2 Cenouras
  • 6 Tomates Cherry
  • 1 Pepino
  • Sumo de 1 limão
  • Salsa fresca q. b.
  • 1 e ½ medida de Caldo de Legumes
  • Azeite q. b.
  • 1 colher de chá de Açafrão
  • Sal q. b.
Confeção: 
  1. Cortar as Cenouras e o Pepino aos quartos e os tomates Cherry ao meio
  2. Levar ao lume uma frigideira com um pouco de azeite para refogar os pedaços de Cenoura e depois reservar
  3. Aquecer o Caldo de Legumes com o Açafrão, para em seguida verter sobre o Cuscuz
  4. Mexer um pouco o preparado anterior com um garfo e tapar durante 5 minutos com película aderente
  5. Voltar a mexer o Cuscuz, juntar o Sumo de Limão, para além da Salsa Fresca picada e de todos legumes anteriormente guardados
  6. Envolver tudo muito bem e colocar no frigorífico até à hora de servir

ESPETADAS DE TAMBORIL E CAMARÕES TIGRE

Ingredientes:
  • ½ Tamboril descongelado
  • 15 Camarões Tigre congelados
  • 1 Pimento Vermelho
  • Sumo de 1 limão
  • Molho de soja q. b.
  • 1 colher de chá de Açúcar Mascavado
  • Sal q. b.
  • 1 Malagueta
Confeção:
  1. Ferver os Camarões Tigre com bastante sal durante alguns minutos, devendo colocá-los de imediato em água com gelo para parar a cozedura
  2. Temperar o Tamboril e os Camarões Tigre com o Sumo de Limão, o Molho de Soja, o Açúcar Mascavado, o Sal e a Malagueta picada
  3. Cobrir tudo com película aderente, reservando durante algum tempo no frigorífico para ganhar mais gosto
  4. Fazer 5 Espetadas, intercalando o Tamboril com o Pimento e o Camarão Tigre
  5. Grelhar as espetadas, regando várias vezes com a marinada anterior
  6. Servir as Espetadas acompanhadas com a Salada De Cuscuz

(receita adaptada de: http://gulosoqb.blogspot.pt)

0
(Visited 101 times, 1 visits today)

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *