Umas vezes sentimo-nos cansados e com dificuldades em respirar; outras vezes sentimo-nos desanimados e desiludidos com o que a vida nos oferece. Para complicar o assunto, ainda há quem fume ou beba álcool, pensando que com este tipo de atos se consegue simplesmente ultrapassar a ansiedade e o nervosismo. E, sem quase nos apercebermos, ao longo do tempo, deixamos quase por completo de ter vontade de lutar também contra a inatividade física e os nossos maus hábitos alimentares, arranjando sempre desculpas para que tal ocorra mais uma e uma vez… 

Por outras palavras: estamos é a tomar partido de colocar em risco a nossa própria saúde física e bem-estar emocional!
Neste sentido, tomei a iniciativa de desafiar o meu Professor de Yoga, David Lacerda Matos, conhecendo-o já há alguns anos, a fim de responder a algumas questões a propósito da prática do Yoga e da sua verdadeira relação com a vida do quotidiano e a nossa mente, corpo e espírito, bem como a nossa própria alimentação, de forma a tirar melhor partido de uma vida mais saudável e rica, em plenitude connosco e os outros.

Desde já, seja muito bem-vindo ao meu blog Cozinha Com Rosto, e muito obrigada por ter aceite este meu convite para esclarecer algumas questões, nomeadamente aos nossos leitores, acerca do tema “Yoga e Alimentação”:

1) Como ponto de partida desta nossa conversa, o que o motivou a fazer formação em Yoga?

Prof. David: Obrigado eu pelo convite. Eu estudei no curso de História / Variante de Arqueologia durante vários anos e acabei por desistir no 4º ano do curso, porque depois de ter estado a trabalhar durante vários anos na área, confrontei-me com a falta de investimento neste tipo de cultura e conhecimento, e achei que não era para mim ficar apenas a escavar no meu buraquinho sem poder crescer e mostrar tudo à sociedade. Então, a partir de 2005, interrompi, o curso universitário, para me dedicar quase em exclusivo, à formação e à prática nas áreas do Yoga e da medicina Ayurvédica, bem como da Terapia de Som (taças tibetanas). Estava interessado em procurar uma via mais espiritual, que albergasse a prática profissional relacionada com a área, então iniciei os meus estudos de forma autodidacta na área do Yoga, que hoje em dia tento integrar no meu trabalho em conjunto com a Ayurveda.

 
2) Pelo que conhece da realidade do Yoga em Portugal, como descreve o cenário da sua prática atual e a justificação pela qual as pessoas sentem necessidade de a tomar como uma verdadeira aleada ao stress do dia-a-dia?
Prof. David: Existe, hoje em dia, uma proliferação muito grande de inúmeras escolas e tradições relativas ao yoga – no meu entender todas válidas – e que permitem que esta autêntica ciência milenar esteja a chegar a cada vez mais pessoas. Apesar de já termos passado o boom da sua procura, as pessoas que continuam a chegar até mim buscam o “eterno equilíbrio”, encontrar espaço interno para si próprias, relaxamento, descontracção, flexibilidade, rejuvenescimento, harmonia entre o corpo e a mente e temas do foro do desequilíbrio como a depressão, ansiedade, insónias ou problemas digestivos.

3) Então, como é que é a sua relação intrínseca com o Yoga, no sentido de como é que as pessoas, em geral, devem entendê-la?
Prof. David: Para simplificar, hoje em dia, como eu costumo dizer, tudo é Yoga – o que interessa é inspirar e expirar – e voltarmos a controlar este processo; tudo muda depois de fazermos uma inspiração profunda. Portanto, o Yoga ultrapassa a hora da sessão, está presente, ou deverá estar o mais presente possível, em todos os momentos do dia. Quanto maior consciência da respiração (do seu estado e de como corrigi-lo) mais voltamos ao nosso centro e à nossa essência. O Yoga é uma ciência! Os benefícios da sua prática diária são brutais e podem conduzir a grandes alterações – sobretudo internas e de estados de espírito ou emocionais. A minha relação com o Yoga, nesta fase da minha vida é diária, e só tenho a agradecer poder fazê-lo ensinando-o ou passando-o a outras pessoas.
 
4) Por outro lado, uma melhor compreensão do Yoga faz com que uma pessoa, na verdade, se afaste de uma má conduta ou de maus hábitos, como o álcool, tabaco ou alimentação desequilibrada?
Prof. David: Da minha experiência pessoal, o que posso salientar é que ajuda a termos uma maior consciência de determinados comportamentos que temos, que estão muito enraizados e que acabam por se manifestar como padrões. Quando começamos a aprofundar o estudo do Yoga, os seus conceitos, percebemos que deve ser entendido enquanto ciência, por se basear em leis fisiológicas e psicológicas, mas também observado enquanto modo de vida, com aplicação directa no quotidiano, e desta forma, serve para manter a mente pura e clara, utilizando a concentração na respiração (pranayama), recarregando, desta forma, de energia renovada o corpo e a mente. Trata-se de uma modificação e purificação consciente durante um longo processo que se baseia na concentração do nosso inteiro ser, na “existência individual”. Faz despertar a consciência, procurando controlar as emoções, desejos e sensações que resultam das diferentes qualidades da nossa consciência. Ajuda a desenvolver a intuição, o entendimento do corpo, das suas funções, tornando-o saudável. Trabalha no sentido da quebra no apego, seguindo ensinamentos milenares, que no fundo nos fazem regressar à vida original, aos propósitos universais sem rejeitar ou criar falsos mundos encarando a nossa situação real.

5) Mas sendo grande parte desses mesmos hábitos relacionados com a cultura de cada um, como é que depois afinal se consegue adquirir, digamos que, essa “nova” realidade, de uma forma natural à medida que se vai praticando o Yoga?

Prof. David: Acho que essa resposta só se pode dar praticando. Passando muitas vezes pelos mesmos processos até nos deixarmos de questionar. As sensações e necessidades vão-se alterando e muitas vezes, e ouço bastantes relatos sobre isso, muitos comportamentos deixam de fazer sentido. Portanto, eu acho que é a rotina que nos traz a transformação. A dedicação (tempo e força de vontade) e o estudo (filosofia) são pilares importantes na prática do Yoga.

 
6) Portanto, posso admitir que o Professor David Lacerda Matos é um verdadeiro exemplo a seguir entre os demais, na medida em que um Professor de Yoga não deve ser somente igual a um praticante de Yoga, estarei certa?
Prof. David: É um peso grande essa questão de ser um modelo, e na verdade, acho que sou exactamente um praticante, e é o facto de levar as minhas práticas até aos outros que me torna professor! Com muitas imperfeições mas tentando transmitir e demonstrar os pilares que o Yoga me tem ensinado.
 
7) E como é que costuma planificar as suas aulas? Seria possível indicar-nos alguns exercícios e quais os seus principais benefícios?
Prof. David: As minhas sessões são elaboradas tematicamente – por norma baseio-me na leitura das próprias pessoas com quem vou desenvolvendo o meu trabalho – tendo quase sempre em vista a gestão dos elementos segundo a tradição da Ayurveda; tenho sempre bastante gosto por trabalhar os processos digestivos (que incluem digerir pensamentos, emoções, sentimentos profundos e comida) e limpezas internas (através de torções do corpo) e também formas de enraizamento, tentando fazer com que voltemos ao centro e a nós próprios. Posturas (ásanas) como ardha matsyêndrásana, paschimôttánásana, páda utkásana ou rája sarvángásana são bons exemplos destes trabalhos que proponho nas aulas. Dedico bastante atenção e tento desenvolver a parte da simbologia das posturas ao longo das sessões, não ficando só na dimensão física e tentando contribuir para o entendimento de cada pessoa que tenho pela frente do porquê de executarmos determinadas posições ou efectuarmos certas respirações específicas.
 
8) Para terminar, qual é então o seu tipo de alimentação habitual? Por acaso, tem algum prato favorito, ou alguma receita que gostasse de partilhar connosco?
Prof. David: Neste momento da minha vida sou Vegetariano estrito no que diz respeito à alimentação, não consumindo nenhum alimento de origem animal e tentando preservar um dos pilares do Yoga – o conceito de Ahimsâ (não-violência) – este é um dos princípios básicos, segundo o qual nos relacionamos com o mundo. Devemos procurar ser coerentes nos nossos actos, utilizando formas de não-violência, quer sejam acções, pensamentos ou até mesmo palavras, pois a prática de qualquer uma destas formas de violência reflecte-se em nós mesmos; diariamente acusamos o reflexo disso mesmo, e pode dizer-se que é, principalmente, no nosso pensamento e na consciência, gerando ignorância, ódios e frustrações, que ficam as marcas de todos os nossos actos e atitudes. Desta forma, muito rapidamente se perde a noção do nosso envolvimento e significado global, como o de pertencermos a um TODO, em que o mais pequeno pormenor faz parte do “Universo”. A prática da violência leva a nossa mente a focalizar-se em coisas negativas, destabilizando-se, levando a desfasamentos a nível imunológico que originam doenças. Na parte ética do consumo dos alimentos e vestuário estou a enveredar pelo Veganismo.
A minha receita de eleição acho que é o caril de grão com espinafres – refogar em azeite (ou óleo de coco) 1 cebola e cerca de 10grs de gengibre, e ir juntando uma colher de pimentão-doce, uma de caril, uma de açafrão e duas de cominhos para soltar o sabor das especiarias. Depois juntar 4 tomates triturados e 1 pimento vermelho e sal. Deixar cozinhar uns minutos antes de adicionar os espinafres (previamente cozidos – convém ser em bastante quantidade que eles ficam bastante pequenos durante o processo!) e o grão cozido, deixando cozinhar novamente até o grão soltar um pouco a casca. Quando servimos polvilhamos com garam masala e coentros picados e acompanhamos com um belo arroz basmati! Ommm…

Em conclusão, o Yoga não é o mesmo que exercício físico, vertendo muito mais a nosso favor: um ânimo maior e melhor em todos os sentidos, sendo até capaz de fortalecer os nossos próprios órgãos vitais, cuja prática correta e constante aliada a bons hábitos alimentares, ainda nos leva a muitos outros benefícios no combate a diversas doenças.

E, definitivamente, o Yoga também está naquilo que comemos: uma alimentação equilibrada contribui, por sua vez, para o aumento e reforço de todos os principais benefícios do Yoga; as refeições necessitam ser feitas com a devida consciência e paz interior, devendo saborear-se cada garfada ao ritmo de uma verdadeira respiração tranquilizante.

Tal como eu, proponham-se, assim, a atingir um tempo novo, procurando adotar ao máximo um conjunto de boas práticas e de experiências de vida mais salutares, onde cada vez mais urge elevar a vossa qualidade de vida e do mundo que vos rodeia!

Recomendo, por isso, uma alimentação da mais variada e simples possível, abrangendo sobretudo produtos frescos e sem toxicidade, sem esquecer um sem número de frutas e legumes, para além de que deve ser devidamente acompanhada por uma hidratação abundante.

Nota: contacto do Professor David Lacerda Matos para marcação de aulas de Yoga – 919886056 ou davidlacerdamatos@gmail.com

0
(Visited 70 times, 1 visits today)

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *