Tive o grato prazer de conviver com o médico Dr. Jorge Teixeira dos Santos e de adquirir o seu livro “A Chave da Saúde” com o sugestivo subtítulo “Mantenha-se saudável sem Medicamentos”. O Dr. Jorge Santosfoi investigador biomédico, epidemiologista, cientista e formadorda “American Medical and Health Corporation” na área do cancro e é altamente crítico em relação aos tratamentos sistemáticos efetuados por quimioterapia. Em alternativa, advoga terapias baseadas em produtos naturais com realce para a planta denominada Curcuma longa. Aguçou pois, a minha curiosidade e interesse para o estudo desta exótica medicinal, espontânea nas regiões tropicais.

Com o nome genérico de curcuma existem cerca de 130 espécies pertencentes à família das Zingiberaceae, de que também faz parte o gengibre. Vamo-nos deter apenas na Curcuma longa, também conhecida como açafrão-da-índia, açafrão-da-terra e turmérico. Ela é originária da Índia, sua principal produtora, consumidora e exportadora. Como se sabe, a Índia é, de longe e de longa data, a casa das especiarias; que o digam os navegadores portugueses que, nos séculos XV e XVI, avidamente as buscaram nesta parte remota do então mundo conhecido pelo ocidente. Ora, dos cerca de 3 milhões de toneladas de especiarias produzidas por ano na Índia, a curcuma representa a parte substancial, o que denota bem o seu valor. A denominação “curcuma” provém do sânscrito, enquanto o termo inglês “turmeric” foi herdado enviesamente da expressão latina “terra merita”.

A curcuma é uma herbácea perene e rizomatosa que vegeta nas regiões de climas quentes e húmidos com temperaturas entre os 20 e os 30 graus centígrados, necessitando de acentuada pluviosidade para proliferar. Conheço, no entanto, uma amiga que a conseguiu plantar na sua quinta, sita num dos sopés da cordilheira da Arrábida, beneficiando do microclima lá existente.
A curcuma chega a atingir um metro de altura e possui longas folhas alternadas, brilhantes, pecioladas, oblongo-lanceoladas que estreitam em ápice. As inflorescências, protegidas por dilatadas brácteas, são hermafroditas, verdes na parte de baixo, brancas ao centro e violáceas no cimo. Os rizomas, cilíndricos, muito ramificados e aromáticos, de amarelo-alaranjado intenso, constituem a parte utilizável desta planta. Secos e moídos formam um pó amarelo, divulgado erradamente como açafrão. Ele é o principal constituinte do caril e da “masala”. Estas misturas de várias especiarias são largamente utilizadas na gastronomia do oriente há mais de 2 mil anos. 
Foram determinados alguns elementos da complexa rede de componentes químicos da curcuma, nomeadamente: vitaminas B3, E e K, cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, zinco, princípios amargos, ácidos orgânicos, resinas e sobretudo, óleos, agrupando 34 essências.
Estão cientificamente comprovadas as propriedades anti-inflamatórias, antivirais, antibacterianas, antialérgicas, antioxidantes, anticancerígenas, colagogas, carminativas, reguladoras do sistema digestivo, apoiantes das funções do fígado e da bílis e estimulantes do sistema imunitário, desta notabilíssima planta.

Embora prossigam ainda aturadas investigações laboratoriais, são já imensas as indicações curativas que lhe atribuem para: artrite reumatoide, epilepsia, diarreia, amenorreia, hepatite, asma, acne, eczema, psoríase, diabetes, hidropisia, úlceras gastroduodenais, colesterol, doenças neuro degenerativas como o alzheimer e o cancro, etc.

A medicina chinesa e a ayurvédica usam abundantemente a curcumina para combater inúmeras maleitas. A curcumina, princípio ativo da curcuma, é um composto instável que não pode fabricar-se industrialmente, sendo apresentado em pó, gel ou pomada.

Na culinária é quase infindável o leque de utilizações em ementas dos países asiáticos, quer como corante alimentar, quer como especiaria gustativa, quer ainda como conservante, uma vez que reduz a ação bacteriana e suprime a oxidação das gorduras. Mesmo nos países ocidentais é cada vez mais corrente a sua utilização.

Especialmente no sudoeste asiático a curcuma tem papel relevante na preparação de champôs e perfumes e para tingir tecidos de seda e de algodão das vestes dos monges budistas e “saris”. Tem ainda funções folclóricas e religiosas e entra nos ritos funerários do hinduísmo e do budismo.

Determinante parece ser a sua atividade como inibidora do desenvolvimento dos tumores malignos

o que constitui uma solução para debelar o flagelo do cancro. As estatísticas mostram que a Índia possui, significativamente, uma das mais baixas taxas mundiais de cancros do cólon, próstata e pulmão. Isso quer dizer alguma coisa!

Para terminar, eis o preparo de uma simples infusão:

Deita-se 1 litro água fervente sobre 20 g de rizomas de curcuma, deixa-se repousar 15 minutos e toma-se duas chávenas por dia após cada uma das principais refeições.  

Miguel Boieiro

0
(Visited 43 times, 1 visits today)

2 Comments

  1. Coisas de Feltro 21 Maio 2018 at 19:03

    Gosto muito e utilizo-a na preparação de molhos. Ainda não experimentei bebida, mais por falta de coragem. Tenho receio de não conseguir beber. Continuação de bom trabalho.

    Reply

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *