A alergia​ é um tipo de resposta imunológica do nosso corpo frente a alguma substância em particular. Desta forma, nos dias que correm, é algo cada vez mais comum, nomeadamente entre as crianças, sobretudo entre as mais jovens, sendo preferível consultar um médico imunoalergologista logo que começarem a aparecer os primeiros sintomas.

Encontrar o melhor tratamento é muitas vezes essencial para combater o problema, uma vez que nessas mesmas idades é também mais difícil de uma alergia ser identificada, logo causadora dos maiores transtornos para as próprias crianças e os pais!

E de acordo com uma notícia avançada pelo site​ da SPAIC (Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica)​, em 7 de Abril 2014, “A anafilaxia é cada vez mais uma das manifestações de alergia observadas na criança, sobretudo provocada por alergia alimentar: até 22% das crianças Europeias têm uma alergia, com as reações alérgicas graves a alimentos a aumentar”.

Vamos então procurar perceber melhor que tipo de reação alérgica grave generalizada é esta, a anafilaxia​, e como é que afinal se pode ajudar a divulgar este tipo de situações, já que a missão maior da intitulada Associação de Apoio e Promoção à Inclusão de Crianças com Anafilaxia​ é salvar vidas, tornando a vida de quem sofre mais segura e mais inclusiva!

Convido, portanto, todos, a lerem as respostas abaixo, relativamente às perguntas colocadas, por mim, a Sofia Fernandes, detentora dessa mesma Organização, agradecendo, desde já, o seu tempo despendido:

 

  1. Para começar, o que é afinal a anafilaxia, a quem mais afeta e quais os seus sintomas e efeitos mais notórios? 

Sofia Fernandes: Anafilaxia é uma doença grave potencialmente fatal, pela resposta excessiva do sistema imunitário, quando em contacto com o alergénio, que pode ser alimentar (leite, ovos, frutos secos, marisco, etc..), medicamentosa (antibióticos, inflamatórios) ou por picada de insetos (abelhas, formigas), pode aparecer em qualquer idade, a qualquer pessoa, os sintomas podem ser respiratórios, cardíacos, gastro intestinais, cutâneos.

  1.   Será algo hereditário? E que tipo de alimentação deverá seguir-se?

Sofia Fernandes: Alergias no histórico familiar parecem aumentar a probabilidade de desenvolver Anafilaxia. Se a causa for alimentar deve evitar o alimento em si e tudo o que levar esse alimento, muitas vezes escondido. Por exemplo o leite, todos os seus derivados, bolachas, bolos, cozinhados, que muitas vezes levam algum derivado do leite, alguns produtos de higiene, até o material escolar existe leite. Um mundo a descobrir e sem margem de erro, o preço a pagar é demasiado alto.

  1. Existirá, por acaso, algum tipo de investigação bem-sucedida no nosso país, ou lá fora, capaz de alterar um pouco o paradigma desta doença ao nível da cura, por exemplo?

Sofia Fernandes: Existem várias cá e mundo fora, pelo nosso país está a ter sucesso a dessensibilização e quando corre bem muda para muito melhor a vida dessa família. Só uma equipa médica especializada pode decidir se o doente está em condições de fazer e quando é adequado, infelizmente nem todos os doentes podem fazer, e é um processo longo são vários anos, com reações pelo meio, mas que muda a vida para melhor e mais segura. Passando o corpo a tolerar alguma quantidade sem reagir com anafilaxia.

  1. E como é que nasceu a Associação de Apoio e Promoção à Inclusão de Crianças com Anafilaxia, e qual a sua verdadeira missão e objetivos mais prementes?

Sofia Fernandes: A Missão Arco Iris levou vários anos até ao seu nascimento, já fazia há pelo menos 5 anos de forma informal este voluntariado e pouco a pouco mais e mais famílias, profissionais de saúde foram-se juntando, o que no une é o espírito de Missão e queremos todos os meninos sejam tratados de igual, possam ir à escola, sejam respeitados na família e amigos, que não falte a medicação de emergência, que um internamento não seja uma aventura perigosa, entre tantas outras coisas… por isso estamos a oferecer de forma 100% gratuita, Portugal Continental, Madeira e Açores ações de sensibilização  e formação, desde os pequenos aos adultos, dos pais aos profissionais de saúde e educação.

  1. No seu entender, qual deverá ser a relação existente entre casa/escola/família, nomeadamente quando existe este tipo de patologia?

Sofia Fernandes: A parceria escola-família é fundamental, sempre mas quando existe uma doença grave ainda mais, a escola não é uma empresa de eventos, é um local onde os meninos vão aprender e fazer amigos, todas as festas, todos os passeios, todas as atividades são pensadas e organizadas pelos profissionais de educação, pessoas que sabem dos problemas de saúde dos meninos com quem trabalham,  logo é muito fácil organizar as coisas de forma segura e inclusiva para todos, o que NUNCA pode acontecer é tirar um aluno da sala, ou não o levar a um passeio porque os doces ou fazer o que nos apetece são mais importantes que um aluno!!! Podem fazer festas e seguramente que os pais vão ajudar, podem fazer imensas atividades e sempre que precisarem de ajuda estamos cá para fornecer ideias seguras, receitas, etc…

  1. E que tipos de apoios se conhecerão porventura em Portugal, por parte das entidades governamentais, para ajudar e acompanhar as famílias que mais fazem parte deste dilema?

Sofia Fernandes: Em Portugal, a lei da inclusão é excelente, o problema é quem a coloca em prática… se perguntar se A, B ou C são a favor da inclusão, são todos, agora quem de facto é inclusivo nos atos… pois, a realidade muda… o primeiro erro é acharem que inclusão é solidariedade, logo só se faz quando queremos… não, a inclusão é um DIREITO inalienável da criança e sua família! Inclusão é tudo com todos!! Todas as crianças têm direito ao ensino, é um direito! Não existe o direito a “fazer o que me apetece” no recinto escolar e pode parecer caricato, mas em pleno século XXI isto é um desafio e bem grande!! Existe também de forma gratuita serviços de imunoalergologia nos hospitais públicos que seguem os meninos e são um apoio fundamental às suas famílias.

  1. Já agora, como é que as crianças costumam lidar com este tipo de problema? Será que têm tendência a isolar-se? 

Sofia Fernandes: As crianças com anafilaxia, depende muito da idade, da gravidade, do que têm vivido… se têm sofrido bullying? Se sim, dos pares ou dos adultos?? Porque as crianças que vivem com isto desde sempre aceitam bem, é natural o cuidado A ou B, o problema surge quando a sociedade os castiga por terem uma doença grave… e os discrimina! E aí sim pode surgir o isolamento, entre outras …

  1. Por último, como é que então cada um de nós pode apoiar a Associação e a Missão Arco íris?

Sofia Fernandes: Ensinar para a diferença, todos os adultos e crianças, ajudar a divulgar a nossa Missão vai salvar vidas e tornar a vida destes meninos mais segura e inclusiva. Podem fazer voluntariado connosco, tornar realidade a Missão.

 

0
(Visited 10 times, 1 visits today)

2 Comments

  1. Mónica Rebelo 25 Setembro 2018 at 13:54

    Por acaso eu também desconhecia, mas assim que tomei conhecimento achei por bem partilhar, apesar de não ter crianças, já que hoje em dia também cada vez mais se fala na questão do glúten ou do leite, por exemplo!
    Bom resto de dia,
    Mónica Rebelo do blog Cozinha Com Rosto.

    Reply

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *